Capítulo I

Padrão

22 de novembro, acordei…

Abro os olhos e me vejo em um lugar estranhamente familiar.

“Será que… Não, de novo não…”

Fecho os olhos e os abro novamente na esperança de estar vivendo apenas mais um sonho lúcido… Nada feito.

Na mesa de cabeçeira, percebo meus óculos. Às vezes preciso deles para enxergar.

“É, não estou sonhando.”

Sinto um movimento às minhas costas. Quem será? A dúvida me desperta e tento recordar a noite anterior: Escuro, definitivamente escuro… Uma noite escura. Flash, pessoas… Flash, uma multidão… Flash, mais uma fã no camarim, loira. Ou seria morena?

Uma mão boba percorre minha cintura em busca de algo… “Eu quero… De novo… Agora…” Um doce gemido angelical me faz duvidar de minha anterior conclusão…

Melhor voltar a dormir para ter certeza de que não estou sonhando…